Andreu Navarra, professor do ensino médio, denuncia a ausência de debate sobre o futuro a que esta sociedade quer conduzir seus jovens

Olá, amigos!

A ideia  deste blog é a criação de um espaço para debates e análises, a partir de divulgação científica. Sua temática principal é a presença da tecnologia em nosso cotidiano, transformando-o e sendo transformada por ele. É discutir as relações humanas com essa tecnologia e as relações humanas mediadas pela tecnologia, ao longo dos tempos, visto que ela é uma presença inevitável e irreversível em nossas vidas...

Reitero esses princípios para esclarecer que o intuito não é o de fazer uma defesa cega da tecnologia, nem mesmo demonizá-la. A busca é pela reflexão e pela análise. Desta forma, o conteúdo desta semana é uma entrevista de um espanhol, publicada pelo jornal "EL PAÍS".  Historiador e professor de Ensino Médio naquele país europeu, Andreu Navarra, dentre outros apontamentos, denuncia a ausência de debate sobre o futuro a que esta sociedade quer conduzir seus jovens...

Então, deixo os convites: acesse o link abaixo, leia a entrevista com atenção e, vamos conversar sobre esse tema sério e importante... 


https://brasil.elpais.com/brasil/2019/09/13/internacional/1568391777_889106.html?%3Fssm=FB_BR_CM&hootPostID=520a54b38c57e086b4814039db529852

Comentários

  1. Entrevista extremamente importante e ainda temos o flipped classroom se instalando naturalmente como se fosse um tema transversal. Realmente, sem o debate, a coisa vai se complicar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é a sala de aula invertida, né?! Nessa Metodologia o aluno estuda os temas em casa e, nas aulas em sala, são resolvidos problemas, a partir do que foi estudado. É isso, a tecnologia está mudando a escola e é urgente fazer fazer esse debate!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As Pandemias mudando radicalmente a história da humanidade

A evolução da tecnologia: da descoberta do fogo à Inteligência Artificial

Qual tecnologia é mais importante: a internet ou o domínio do fogo? Uma pergunta para pensar